Cemitério da Recoleta

Altas colunas dóricas dão as boas vindas ao cemitério de Recoleta e convidam a ingressar a um mundo de paz, de estilo charmoso, diferente aos conhecidos.
Não tinham comentado muito acerca do cemitério de La Recoleta e nos perguntamos: ¿O qué pode ter de prazeiroso percorrer um lugar desse estilo localizado na cidade? Decidimos responder essa pergunta depois de conhecer.

Ingressamos e somamos nos a um grupo de pessoas para começar um percurso guiado. Ouvimos vozes estrangeiras entre eles soubemos que as principais guias turísticas do mundo sugerem visitar o cemitério.

Localizado ao lago da igreja Nossa Senhora de Pilar, era nos seus começos o lugar de descanso final dos sacerdotes da ordem dos Monjes Recoletos. De aí pegou o nome e depois figuras relevantes da cidade foram sepultados no lugar.

  • Altas colunas dóricas

    Altas colunas dóricas

  • Nem medo, nem tristeza, nem fantasmas

    Nem medo, nem tristeza, nem fantasmas

  • O metal e a pedra repetíam-se aquí e lá

    O metal e a pedra repetíam-se aquí e lá

  • Descobrindo a sua história

    Descobrindo a sua história

  • Uma memória afetuosa e respeitosa

    Uma memória afetuosa e respeitosa

  • Os anjos são cortadas no céu

    Os anjos são cortadas no céu

Aberto em 1822, iniciou como um cemitério católico apostólico romano. Depois secularizou e recebe a pessoas de diferentes cultos ou religiões; ainda mantêm ativo e alberga quase 5.000 almas.

Percebimos que as ruas interiores eram estreitas e que o sol fazia jogos e malabares para estar presente em todas elas. Formavam uma trama junto às avenidas e diagonais mais largas onde as rotundas com monumentos importantes fazem de eixo nos diferentes roteiros.

Uma olhada geral das abóbedas fez ver como “quartos” com importantes materiais de contrução, bem cuidadas por dentro e por fora. O mármore branco e preto, o metal e a pedra repetíam-se aquí e lá.

Levantando o olhar conhecimos o mais bonito de cada uma delas: cúpulas com figuras religiosas (cruzes, santos, ánjos) que recortam no céu sobre os prédios do bairro e que outorgam magnificiência às esculturas.

Espaço de preferência

Assim que avançávamos, fomos descobrindo a sua história. Os cidadãos Meritórios tinham o seu espaço num setor perto do acesso, o mais espacioso e antigo. Aí descansam Cornelio Saavedra, Marcos Balcarce, Juan Andrés de la Peña e Guillermo Brown, entre outros.

Impossível descrever tudo o que contaram nessas poucas linhas. Assim que recebiamos informação, fomos maravilhando com as histórias desse campo santo. Nele residem presidentes, prêmios Nobel, políticos e escritores. Infinidade de livros e poemas tem guardado frases célebres sobre detalhes dos seus enigmas e histórias fantásticas.
Cada abóveda foi construida de acordo ao gosto e às possibilidades da família proprietária. Prevalecem o estilo art nouveau, os vitraux, o arco de méio ponto, mas sem ordem arquitetónico condutor. Apreciamos obras muito belas, de grande porte, riqueza de materiais q qualidade artística com o selo de conhecidos escultores nacionais e estrangeiros.

Tudo tem uma explicação

Observamos a simbología e a presença de anjos, intermediários entre o terreno e o celestial; as folhas de olivo como símbolo de paz; mantos apoiados em vasos ou cruzes (tristeza e abandono). Silvia, nossa guia, decifrou o significado e fomos entendendo mais um pouco.

Algumas construções são cópia fiel de outras dos cemitérios Père-Lachaise de París ou Staglieno de Géneva. Famílias tradicionais de Buenos Aires, de bom poder aquisitivo, recebiam os catálogos de abóbada e contratavam profissionais e materiais de construção na Europa.

Portas adentro das abóbadas, viam-se genuflexórios para orar, toalhas de mesa brancas com rendas. Umas escadas internas estreitas levavam ao subsolo, onde situaram os féretros, fora da vista.

Vinte e um presidentes da Nação Argentina têm a sua abóbada no cemitério de Recoleta. Algumas têm monumentos de luxo, de acordo à época. Silvia fez um relatório da sua vida e morte, detalhes alguma vez aprendidos na escola, que foi impactante lembrar.

Destacamos as diferenças entre o conjunto arquitetônico do presidente Carlos Pellegrini, falecido em 1906, e a abóbada do estilo minimalista do presidente Raúl Alfonsín, morto no ano 2009. diferentes épocas e marcos históricos.

O pertencente ao Dr. Pellegrini era impressionante: sua figura e a da república, de grande presença, foram esculpidas na mármore junto a outros baixo-relevos. Porém, a abóbada do Dr. Alfonsín estava despojada de enfeites; apénas um vitral de cores em forma de cruz no teto iluminava o espaço.

Não sintimos reparo nenhúm pelo que estávamos vendo nem ouvindo. Nem medo, nem tristeza, nem fantasmas.
“A abóbada da família Duarte, que guarda o corpo da Senhora María Eva Duarte de Perón, é a mais visitada e sobre a que mais perguntas recebo e respondo”, foi a resposta de Silvia cuando consultamos acerca do assunto.

“Sempre tem flores e visitantes em datas importantes dessa figura forte e enigmática da história argentina, que transcendeu fronteiras”, agregou.

Recoleta alberga muitas histórias comuns, algumas melancólicas e belos epitáfios. Não faltam os mitos e lendas que incluem mortes trágicas de figuras jóvens, que tem ficado estampadas em imponentes estátuas.

Deixando atrás a tristeza

Já vai entardecer e a cúpula da igreja do Pilar brindou suas brilhantes torres enfeitadas de azul claro. Parecia bendizer aos jacentes do cemitério e dava a nota de cor ao prédio.

Falamos mais um puco com Silvia e ficamos contentes de saber que muitos argentinos vão descobrindo aos poucos esse cemitério tão portenho. Soubemos, por exemplo, que os estudantes de arte e arquitetura visitam ele como parte das suas aulas práticas.

No nosso caso, dedicamos apénas duas hóras. Leva muito mais tempo entender cada homenagem, as crenças religiosas, o poder aquisitivo e a posição que tínha-se ante a morte em cada época.

Encaramos lentamente nossos passos para a porta de saída entanto umas ténues luzes amarelas começavam acender para iluminar as ruas durante a noite.

Deixamos atrás o nosso receio e sentimos que o cemitério de Recoleta tinha mais a ver com a lembrança afetuosa e respeitosa dos que já não estão que com a morte mesma. Demos por respondido o nosso interrogante inicial.
Leia passeio completo... Mónica Pons / Eduardo Epifanio

Dados úteis

Horário: Aberto das 7 às 18 hóras todos os dias do ano. Visitas guiadas gratuitas (consultar horários e línguas).

Contato

Cementerio de la Recoleta
Junín 1760 , , Ciudad de Buenos Aires, Ciudad de Buenos Aires
Tel: +54 11-48031594

Ente de Turismo de la Ciudad Autónoma de Bs.As.
, , Ciudad de Buenos Aires, Ciudad de Buenos Aires
Tel: +54 0800-9992838


Welcome Argentina - O que fazer em Cidade de Buenos Aires?

© 2003-2020 Proibida sua reprodução total ou parcial. Derechos de Autor 675246 Ley 11723