História da Ciudad de Buenos Aires

Os paises da América Latina como Argentina, são um conjunto de povos de diversas culturas, línguas e etnias, cuja realidade atual é o fruto de longos e complexos processos históricos.

A conquista e ocupação do território argentino começou a metade do século XVI e já os nativos tinham interrompido o avanço dos Incas desde Perú através de Bolivia.

Entanto combatiam e reduziam aos indígenas, os espanholes fundaram cidades que serviram de apoio para continuar seu avanço colonizador.

Os primitivos povoadores da atual zona de influência de Buenos Aires foram os indios Querandíes.

O nome de Querandíes foi dado pelos Guaraníes já que na sua dieta diária consumiam gordura animal, significado “homens ou gente com gordura”.

Físicamente, os indios Querandíes mostravam um bonito corpo, bem proporcionados, de elevada estatura e muito belicosos. Vestiam um casaco de couro, similar ao quillango; as mulheres também usavam uma saia que cobria seu corpo até os joelhos.

De vida quase sedentária, agrupavam suas barracas de couro junto às aguadas nas épocas de frio, e no verão faziam suas correrias ou incursões até o interior.

Eram bons corredores -caçadores, com arco, flecha e boleadeira caçabam perdizes, veados, codornas e nhandús-. Sua indústria era a olaria.

Acreditavam em um Grande Deus ao que chamavam Soychu, quem tinha um rival ou espirito do mal: Gualichu.

Com os espanholes, adoptaram o cavalo, gerando um novo jeito de vida. Porém continuaram sendo nómadas, puderam se por em contato com outros aborígenes.

Em 1516, o espanhol Juan de Solís desembarcou nas costas do Rio de La Plata, mas os indígenas resistiram-se à sua tentativa de conquista e a expedição fracassou.

Magallanes tocou porto pouco depois e remontou o Rio de la Plata em busca de uma conexão entre o Océano Atlántico e Pacífico. Ao ver que tal conexão não existía, continuou navegando para o sul pela atual Patagônia, tendo contato com Tehuelches, indígenas a quem chamou de Patagones. Depois de isso, descobriu o estrecho que leva seu nome e que conecta os océanos Atlántico e Pacífico.

Resumindo, podemos contar que as correntes de conquista e povoamento desenvolvidas pelos espanholes, partiram de três lugares: o Alto Perú, Chile e Asunción de Paraguai.

Desde o Alto Perú fundaram-se as cidades de Santiago del Estero (1553) Tucumán (1565), Córdoba (1573), Salta (1582), Catamarca (1583), La Rioja (1591) e Jujuy (1593). A corrente que partiu do Chile fundou as cidades de Mendoza (1561)San Juan (1562) e San Luis (1594). E a que saiu de Asunción do Paraguai, Santa Fe (1573), Buenos Aires (1580) e Corrientes (1588). A resistência indígena impediu estabelecer povoados no sul.

A primeira fundação de Buenos Aires teve lugar em março de 1536 por Dom Pedro de Mendoza (1487-1537), quem foi designado por Carlos V como adiantado, “para conquistar e povoar as terras que há no Rio de Solis, chamado de la Plata”. Não é sabido com certeza o lugar certo no que fundou a cidade, já que não se encontrou o ata de fundação.

O 15 de junho de 1536, teve lugar uma cruel batalha entre espanholes e os indios Querandíes.

Na luta morreram cerca de quarenta espanholes e aproximadamente mil indios. Os indios sobreviventes, aliaram-se a outros e destruíram a recém fundada cidade.

Será outro conquistador espanhol, Juan de Garay (1528-1583) a quem em 1542, o adiantado Juan Torres de Vera e Aragón encomendou fundar uma cidade para colonizar os territórios do sul e povoar a beira mar. Empreendeu então a marcha para o Rio de la Plata e na atual Plaza de Mayo (Praça de Maio), o 11 de junho de 1580 levou a cabo a segunda fundação de Buenos Aires.

Juan de Garay chamou de Santísima Trinidade e ao seu porto Santa María de los Buenos Ayres.

Realizou mais tarde uma expedição para o sul em busca da legendária Cidade dos Césares (1581-1582) e depois de efetuar outras viagens e explorações na região rioplatense, foi morto pelos indios na beira do Rio Carcarañá, perto do antiguo forte Sancti Spíritus.

Os indios Querandies, que moravam no entorno, no princípio mostraram-se amigáveis e conseguiram mercadorias espanholas em troca de alimento proveniente da caça e da pesca; mas, repentinamente, optaram por interromper o contato e o alimento começou a escassear entre os espanholes.

Com a intenção de submeter aos Querandies, Pedro de Mendoza organizou uma expedição militar ao mando do seu irmão, Diego de Mendoza, que foi derrotada na beira do Rio Luján o 15 de junho de 1536.

A partir desse momento, Buenos Aires ficou a mercê da fome e dos esporádicos ataques dos Querandíes.

A final de junho os Querandies iniciaram o cercado de Buenos Aires e a situação de supervivência piorou para os espanholes. Os indios foram finalmente dispersados mas na briga morreram quase mil expedicionários.

Gravemente doente, Pedro de Mendoza delegou o comando do povoado ao capitão Francisco Ruiz Galán até que Ayolas retornara e partiu com direção a Espanha em abril de 1537.

A conquista do Rio de la Plata foi prosseguida por Ayolas e pelo resto dos homens que formaram parte da expedição original de Pedro de Mendoza.

Cada vez que os espanholes fundavam uma cidade, atribuiam um espaço frente à praça principal para erguer um cabildo. Desde alí exercia-se o governo da cidade através de diversos funcionários (regedores, prefeitos, etc) que tinham como responsabilidade as tarefas de justiça, polícia, fornecimento público e ciudado da cidade. O prédio do cabildo de Buenos Aires, mudado várias vezes, foi construido pelos jesuitas a metade do século XVIII.

Outro dos prédios típicos das cidades americanas era o forte. O mais conhecido de todos foi o de Buenos Aires, que erguia-se onde hoje está a Casa de Governo (Casa Rosada). Esse e não o cabildo, funcionava como sede dos governadores, o virrei e depois da Primeira Junta de Governo. Construiu-se sobre uma elevação desde onde podia-se controlar o Rio de la Plata e advertir a chegada dos navíos.

O porto de Buenos Aires era uma janela ao mundo, mas durante anos esteve fechado ao comércio por ordem do virrei do Perú. Essa proibição era ludibriada pelos comerciantes locais, quens fizeram o contrabando uma forma obrigada de supervivência.

Desde sua fundação, Buenos Aires utilizou o “Riachuelo dos Navíos” para o desembarque de mercadorias, já que esse era un canal profundo. O desembarque realizava-se de um jeito muito modesto: ancorados os navíos, os botes apertavam a passageiros e mercadorias até a beira já que não existía casi.

A criação do Vice-reinado do Rio da Prata trouxe consigo sua abertura aos buques extrangeiros, ainda que com algumas reservas.

Os indios que habitavam o noroeste do atual território argentino, continuavam combatendo a dominação espanhola e tentavam continuar o exemplo de rebeldia que tinha ensino o inca Tupac-Amaru, quem acabou sendo esquartejado em 1780. Os indios das pampas e do Chaco também eram uma preocupação para as autoridades riopratenses pelas suas frequentes incursões sobre os povoados. Os únicos indígenas que em alguma medida, tinham se submetido a os espanholes eram os que moravam na região mesopotámica.

Em 1776, o rei espanhol Carlos III decidiu a criação provisional do Vice-reinado do Rio da Prata para segurar um controle mais eficaz dos seus domínios americanos. Até então, Buenos Aires e o interior dependíam do Vice-reinado do Perú, que tinha seu capital em Lima.

A enorme distância que separava o Rio da Prata da cabeceira vice-rainhal tinha acordado a cobiça de ingleses e portuguêses, quens lucravam com o contrabando para Buenos Aires e a zona do Litoral, perjudicando às arcas reais.

O Vice-reinado do Rio da Prata se fez definitivo em 1778, e quatro anos mais tarde criou-se o regime de Intendências, que tornou mais efetiva a supervisão estatal.

Estava dividido em três governações: do Rio da Prata, do Tucuman e do Cujo.

A indústria de exportação de couros, e a crescente introdução de manufaturas européias pelo seu porto para o resto do pais, fizeram crescer a importância de Buenos Aires. Começa então, o processo de transformação do ordem colonial, que culminará nas guerras da independência.

Uma forte burguesía comercial situada na zona do porto de Buenos Aires, foi a forza que atuou no movimento revolucionario de 1810, no que criou as Provincias Unidas do Rio da Prata. O 25 de maio de 1810, o cabildo de Buenos Aires destituiu o vice-reinado e anunciou que daí em diante governaria em nome do rei Fernando VII.

Posteriormente, representações de várias provincias reuniram-se em Tucuman em março de 1816 e o 9 de julho os delegados proclamaram-se independentes do domínio espanhol e declararam a formação das Provincias Unidas de Sudamérica (depois, Provincias Unidas do Rio da Prata).

Os posteriores enfrentamentos entre Buenos Aires e o interior assinaram sua evolução até sua federalização.

O 20 de setembro de 1880 sancionou-se a Federalização da Cidade de Buenos Aires, o que implicava que de maneira definitiva, os ingressos pelos direitos de alfándega do porto da cidade, ficariam em mãos do Estado Nacional.

O novo presidente, Julio A. Roca, asumiu suas finções o 12 de outubro de 1880 com todas as provincias sujeitas ao poder central e governado desde Buenos Aires, convertida na Capital Federal da República. Durante seu governo foi fundada a cidade de La Plata para ser a sede das autoridades da provincia de Buenos Aires.

Uma grande masa de imigrantes chegaram ao pais entre 1857 e 1914, periodo no que ingressaram 3.300.000 pessoas.

O 4/1/1881 é instalado o primeiro telefone em Buenos Aires.

Em 1882 instala-se a primeira central elétrica e no mesmo ano inaugura-se a primeira cámara frigorífica do pais.

Em 1886 inicia-se a construção do porto de Buenos Aires sob a direção do ingenieiro Madero.

Em 1889 começam os trabalhos de abertura da atual Avenida de Maio e no mesmo ano habilita-se a línea telefónica embaixo do Rio da Prata que uniu Buenos Aires com Montevidéu sendo esse o primeiro cabo telefónico tendido embaixo da água no mundo.

O 9/7/1894 inaugura-se a Avenida de Maio e no mesmo ano em novembro habilita-se o serviço público de águas correntes.

Em 1896 produz-se a primeira exibição cinematográfica.

Em 1897 começa o funcionamento do primeiro bonde elétrico.

Em 1898 funda-se o Jardim Botánico sob a direção do urbanista Carlos Thays.

Em 1903 circulam na cidade os primeiros taxímetros e ao seguinte ano realiza-se a primeira transmissão de rádio.

Em 1904 circulam os primeiros ônibus pela Av. De Maio.

Em 1908 inaugura-se o Teatro Colón.

Em 1913 começa a circular a primeira linha de metrô que une Praça de Maio com Praça Onze.

O 24/8/1916 inaugura-se o primeiro trem elétrico entre Buenos Aires e Tigre.